terça-feira, 25 de junho de 2019

Liberdade - Um pouco do Japão em São Paulo

Resultado de imagem para bairro da liberdade em são paulo
O bairro da Liberdade, em São Paulo, é o maior reduto da comunidade japonesa na cidade. Por isso, caminhar pelas ruas do distrito é como estar no próprio Japão. Além das lanternas e letreiros orientais que chamam a atenção nas ruas, o destaque fica com o comércio local, com lojas, bares, karaokês e restaurantes que transportam o visitante para a Terra do Sol Nascente.

Turistando.com

1- Conhecer mais sobre a Imigração Japonesa
O Museu Histórico da Imigração Japonesa localizado no prédio do Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social e mantido pelo mesmo, é o maior museu sobre a imigração japonesa e possui mais de 97.000 itens no seu acervo pertencentes aos imigrantes, que vão de objetos, diários, pinturas, documentos e muito mais, é uma ótima oportunidade de saber mais sobre a imigração japonesa, desde a chegada dos imigrantes no Brasil até os dias atuais.
o-que-fazer-na-liberdade
2 – Aproveitar a gastronomia
Lugares onde comer na Liberdade é o que não falta, por isso aproveitar a sua gastronomia é algo que não se deve deixar de fazer na Liberdade, entre as melhores escolhas está o Espaço Kazu, no complexo gastronômico você encontra no térreo o Izakaya Kazu que apresenta variadas opções de pratos japoneses tradicionais, no piso superior está o Kazu Cake, com sobremesas típicas japonesas e ainda  no mesmo andar o Meu Udon especializado em massas artesanais.

o-que-fazer-na-liberdade
Izakaya Kazu no Espaço Kazu
3 – Explorar lugares poucos conhecidos
O bairro da liberdade esconde lugares poucos conhecidos em São Paulo, mas que são importantes para a história da cidade e do bairro, como a Chácara Tabatinguera que foi umas das primeiras regiões ocupadas no bairro e onde foi erguido o Palacete Conde de Sarzedas, que também é conhecido comoPalacete do Amor, no local atualmente funciona o Museu do Tribunal da Justiça de São Paulo, as visitas monitoradas são gratuitas e acontecem de segunda a sexta das 11h ás 17h e devem ser agendadas com a coordenadoria do museu.

o-que-fazer-na-liberdade
Palacete Conde de Sarzedas
Outras atrações pouco conhecidas mas que vale está no seu roteiro de o que fazer na Liberdade, são as suas igrejas, entre elas a Igreja Menino Jesus e Santa Luzia, Igreja de São Gonçalo e a Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados, que apesar de pequenas apresentam um beleza bem singular.

o-que-fazer-na-liberdade
Igreja Menino Jesus e Santa Luzia
3 – Fazer compras
Difícil visitar o bairro da liberdade e não fazer uma comprinha, o bairro se consagrou pelo comércio e você encontra as mais variadas opções de compras. Os mercados com itens exclusivos japonês, muitos deles importados fazem sucesso e vale encarar os corredores apertados, na rua Galvão Bueno estão oEmpório Azuki, o MarukaiCasa Bueno e Merceria Towa.
o-que-fazer-na-liberdade
4 – Relaxar no meio do agito
A Liberdade é uns dos bairros mais movimentados de São Paulo, principalmente nos finais de semana, onde é até difícil caminhar nas suas calçadas sem esbarrar em ninguém, mas no meio do agito do bairro na Rua Galvão Bueno se encontra o Jardim Oriental, que conta com muito verde, um lago com carpas e tranquilidade, onde você até esquece que está em umas das ruas mais visitadas do bairro.

o-que-fazer-na-liberdade
Jardim Oriental
5 – Desfrutar os festivais orientais
Durante o ano acontecem diversos festivais orientais no bairro da Liberdade e não é só festivais japoneses, outras culturas orientais também marcam presença e o melhor é que são gratuitos, a Praça da Liberdade é palco dos festivais dos bairro mas eles pode se estender para outra ruas da Liberdade, se estiver visitando o bairro durantes esses festivais é uma excelente opção de o que fazer na Liberdade. 

o-que-fazer-na-liberdade
Foto: Dario Oliveira
Em Janeiro a fevereiro acontece o Festival do Ano Novo Chinês, em abril é a vez do Festival das Floresque celebra o aniversário do Buda, em maio ou junho o Campeonato do Sumô, seleciona os participantes para representar o Brasil no campeonato internacional, em julho ocorre o Tanabata Matsuri (Festival das Estrelas), em dezembro dois festivais tomam conta da Liberdade o Toyo Matsurique enfeita o bairro com as bandeiras norobi e Moti Tsuki Matsuri (Festival do Bolinho da Prosperidade), que marca a passagem do ano.  
by Maria Sônia Pereira

Sorrir...

Resultado de imagem para sorriso
Linda gente a sorrir,
Sorriso puro,
Que encanta,
E dentre as virtudes,
O mais belo gesto,
E entre as coisas divinas,
O mais sublime, amor!
Se é belo o teu sorriso,
Porque prende-lo no peito?
O lindo sorriso, que encanta,
Que se doa,
Que nasce na face dos homens,
Capazes de doar,
O verdadeiro sorriso,
Que encanta!
Sorria!
Sorria para vida!
Sorria para o mundo!
Sorria para o amor!
Porque prender o teu riso?
Se o riso encanta,
E é, o maior presente,
De Deus ao homem!
Sorria!

Maria Sônia Pereira

Álcool: evite o excesso


Imagem da web

O que acontece com o organismo após a ingestão de álcool

Existem vários estudos em relação aos malefícios do álcool. Quem abusa está sujeito a sequelas ao longo do tempo. Dentre os malefícios provocados pelo álcool no organismo humano, estão:
Você já parou para pensar como o álcool passa para o sangue? Se engana quem pensa que é somente através da boca ou do estômago. É verdade que o organismo absorve as moléculas do álcool logo após o primeiro gole, devido algumas mucosas da boca e de algumas paredes do estômago, porém, a grande porcentagem (75%) entra no sangue através do intestino delgado.
A partir de então, a distribuição do álcool pelo organismo é rápida: as moléculas do álcool viajam pela corrente sanguínea e atingem órgãos como o fígado, os rins, os pulmões e o cérebro.

1) Cérebro

O excesso de álcool provoca diversos efeitos na região cerebral, como alterações nas áreas responsáveis pela memória, déficit cognitivo, neurodegeneração de algumas partes do cérebro, como o córtex pré-frontal, perda de função e/ou estrutura dos neurônios e inibição de processos de neurogênese (criação e desenvolvimento de novos neurônios).

2) Câncer

Aumentam os riscos de câncer nas regiões que entram em contato com as bebidas alcoólicas, como boca, laringe, faringe e esôfago.
3) Sistema digestório
O estômago pode sofrer erosões devido o álcool e, com isso, desenvolver gastrites. Mas é o fígado um dos órgãos mais afetados pelas bebidas alcoólicas, podendo acarretar inflamações, hemorragias, hepatite alcoólica e cirrose.

4) Síndrome de Korskoff

Trata-se de uma doença relacionada à carência de vitamina B1 (tiamina). Embora possa ter outras causas, o álcool é o motivo mais comum, pois a droga dificulta a absorção da tiamina pelo organismo. Alguns sintomas comuns são a paralisia de alguns músculos (dificultando o andar, por exemplo), problemas oftalmológicos e distúrbios de consciência ou estado mental.

5) Diabetes

O uso de álcool em excesso e de forma contínua pode provocar inflamação no pâncreas – órgão responsável pela produção da insulina. Essa inflamação, chamada de pancreatite, destrói o tecido pancreático e, desta forma, também as células que produzem insulina, levando ao Diabetes.
6) Mortes e Violência
Dados da Associação Brasileira de Estudos de Álcool e Outras Drogas (ABEAD), por ano, 32 mil pessoas morrem em decorrência da bebida alcoólica, sendo 11 mil por cirrose. O álcool também está por trás de 60% das mortes no trânsito e 72% dos homicídios. Além do álcool contribuir para casos de afogamentos, quedas, suicídios, entre outros.
Dessa forma, caso deseje mesmo beber, procure se alimentar antes e durante, priorizando alimentos ricos em amido. Evite beber excessivamente, procurando revezar, entre um copo e outro de bebida, um copo de água, para evitar a desidratação dos neurônios, responsável pela ressaca.
O Ministério da Saúde adverte: Se beber não dirija!
Fonte: alcolismo.com, mundoeducação

quarta-feira, 19 de junho de 2019

A dimensão social da qualidade de vida

Resultado de imagem para a dimensão social da qualidade de vida
A saúde é amplamente reconhecida como o maior e o melhor recurso para o desenvolvimento social, econômico e pessoal, assim como uma das mais importantes dimensões da qualidade de vida.
A Saúde e qualidade de vida são dois temas estreitamente relacionados, fato que podemos reconhecer no nosso cotidiano e com o qual pesquisadores e cientistas concordam inteiramente. Isto é, a saúde contribui para melhorar a qualidade de vida e esta é fundamental para que um indivíduo ou comunidade tenha saúde.
A Carta de Ottawa – um dos documentos mais importantes que se produziram no cenário mundial sobre o tema da saúde e qualidade de vida – afirma que são recursos indispensáveis para se ter saúde:
  • Paz
  • Renda
  • Habitação
  • Educação
  • Alimentação Adequada
  • Ambiente Saudável
  • Recursos Sustentáveis
  • Eqüidade
  • Justiça Social
Isto implica no entendimento de que a saúde não é nem uma conquista, nem uma responsabilidade exclusiva do setor saúde. Ela é o resultado de um conjunto de fatores sociais, econômicos, políticos e culturais, coletivos e individuais, que se combinam, de forma particular, em cada sociedade e em conjunturas específicas, daí resultando sociedades mais ou menos saudáveis.
Na maior parte do tempo de suas vidas, a maioria das pessoas é saudável. Isto significa que, na maior parte do tempo, a maioria das pessoas não necessita de hospitais, CTI ou complexos procedimentos médicos, diagnósticos ou terapêuticos.
Mas durante toda a vida, todas as pessoas necessitam água e ar puros, ambiente saudável, alimentação adequada, situações social, econômica e cultural favoráveis, prevenção de problemas específicos de saúde, assim como educação e informação.
Isto quer dizer que fatores políticos, econômicos, sociais, culturais, ambientais, comportamentais e biológicos podem tanto favorecer, como prejudicar a saúde.
Para se melhorar realmente as condições de saúde de uma população –  um objetivo social relevante em todas as sociedades -, são necessárias mudanças profundas dos padrões econômicos no interior destas sociedades e intensificação de políticas sociais, que são eminentemente políticas públicas. Ou seja, para que uma sociedade conquiste saúde para todos os seus membros, são necessárias uma verdadeira ação inter-setorial e as chamadas políticas públicas saudáveis, isto é, políticas comprometidas com a qualidade de vida e a saúde da população.
Além destes elementos chamados estruturais, que dependem apenas parcialmente da decisão e ação dos indivíduos, a saúde também é decorrência dos chamados fatores comportamentais. Isto é, as pessoas desenvolvem padrões alimentares, de comportamento sexual, de atividade física, de maior ou menor estresse na vida cotidiana e no trabalho, uso de drogas lícitas (como cigarro e bebidas) e ilícitas, entre outros, que também têm grande influência sobre a saúde.
Se cada pessoa se preocupar em desenvolver um padrão comportamental favorável à sua saúde e lutar para que as condições sociais e econômicas sejam favoráveis à qualidade de vida e à saúde de todos, certamente estará dando uma poderosa contribuição para que tenhamos uma população mais saudável, com vida mais longa e prazerosa.
O homem é um animal gregário e, neste contexto, viver em sociedade não é opção, é mera exigência da condição humana. Não é possível conceber, nos dias de hoje, indivíduos isolados.
É no convívio da vida em sociedade, no contexto da família, da comunidade ou no ambiente de trabalho que são desenvolvidos valores, crenças, elementos essenciais da cultura, ações estratégicas, fontes de satisfação e insatisfações, conflitos, acordos e concessões.
É na dinâmica do meio social que cada indivíduo busca "a cooperação de outro para alcançar um objetivo ou [...], quando a cooperação é negada, anular ou contra-arrestar a ação que perturba o seu projeto. Essa relação com o outro cria uma incerteza, difícil de administrar".
Neste jogo de forças inerente à vida coletiva com interesses múltiplos, e às vezes antagônicos, é que os desequilíbrios se instalam, comprometendo outras dimensões da saúde, como, por exemplo, a saúde física, a saúde emocional e a saúde espiritual.
A manutenção da saúde social depende de investimentos na qualidade dos relacionamentos, equilíbrio nos diversos espaços de convívio, incluindo o ambiente de trabalho e a harmonia no meio familiar.  

A importância de beber Água


Resultado de imagem para a importancia de beber agua

Como já comentamos, a água é essencial para o funcionamento correto do nosso organismo. Ela representa cerca de 70% do corpo de um adulto e está presente nos nossos músculos, órgãos, sangue entre outros. A falta de água pode causar tontura, pressão baixa, dor de cabeça, fadiga e, após períodos prolongados, até a morte. Abaixo, mostramos cinco razões que explicam a importância de beber água para o corpo:
1 – Regula a temperatura corporal: o corpo usa água para manter a temperatura corporal em 35,6ºC. Por isso durante exercícios físicos ou quando se está quente é necessário mais água, já que o corpo irá necessitar de mais do líquido para conseguir manter a temperatura do corpo estável.
2 – Absorção e transporte de nutrientes: a água ajuda no transporte de substâncias e nutrientes ingeridos para todas as regiões do corpo através da corrente sanguínea. Ela também auxilia na absorção de diversos tipos de nutrientes.
3 – Solvente e redução de toxinas: a água é utilizada em processos de excreção e de redução de toxinas através do suor e urina, e de limpeza do sangue.
4 – Revitalização das células: a água promove a revitalização das células através de um processo de hidratação. Isso faz com que a pele fique mais bonita e descame menos.
5 – Evita mudanças de humor: pesquisas recentes mostram que uma leve desidratação já é capaz de afetar o humor de uma pessoa. Além disso, a dor de cabeça decorrente de falta de água também é responsável por mudanças de humor.
Resultado de imagem para a importancia de beber agua

A dica é: Tenha sempre uma garrafa de água ao alcance das mãos, pois a reposição de líquidos deve ser frequanete e independente da sensação de sede.
A sede é um sinal de alerta e aparece quando os niveis de água no corpo já estão na reserva. Por isso, não espere a sede chegar, beba água sempre e contribua com a sua saúde e bem estar!

quinta-feira, 6 de junho de 2019

Qualidade de Vida X Expectativa de Vida do Brasileiro


Imagem da web

Desde 2009, quando ingressei em um curso de especialização em "Gestão de Qualidade de Vida e Saúde no Trabalho" na UFRN, tenho estudado e pesquisado sobre o tema, que tanto me fascina!
Tenho observado que a saúde é um bem imensurável que deve ser cultivo, hábitos saudáveis, para se conquistar o bem estar tão desejado por todos! 
E ai, me vem o primeiro questionamento: porque as pessoas estão ultrapassando os 80 anos, superando a expectativa de vida?

A esperança de vida dos brasileiros aumentou, isso segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Vários foram os fatores que propiciaram essa ascensão, dentre muitos, o crescimento econômico do país, acesso à água tratada e esgoto, aumento do consumo, entre outros.
De acordo com o IBGE, a média de vida de um cidadão brasileiro é de 72,7 anos. Expectativa ou esperança de vida corresponde à quantidade de anos em média que uma determinada população vive. Esse item é um importante indicador social que serve para avaliar a qualidade de vida de uma população de um determinado lugar.
Apesar do aumento nos índices desse indicador social, o país ainda se encontra abaixo da realidade de muitos países desenvolvidos. O percentual médio do Brasil no quesito esperança de vida não reflete totalmente a realidade, muitas particularidades regionais são camufladas. Desse modo, temos diversos percentuais de expectativa de vida que oscilam de acordo com cada estado. A seguir, a expectativa de vida da população dos estados brasileiros.
O aumento também foi de 3,5 nos últimos 10 anos. O brasileiro nascido em 2006 tinha a expectativa de viver 72,3 anos; número que passou para 75,8 em 2016.
Confira os dados por regiões e Estados:
Estados do Centro-Sul do Brasil
Rio Grande do Sul: 75 anos
Santa Catarina: 75,3 anos
Paraná: 74,1 anos
São Paulo: 74,2 anos
Rio de Janeiro: 73,1 anos
Goiás: 71,4 anos
Mato Grosso do Sul: 73,8 anos
Mato Grosso: 73,1 anos
 Estados do Norte do Brasil
Rondônia: 71,2 anos
Acre: 71,4 anos
Amazonas: 71,6 anos
Roraima: 69,9 anos
Amapá: 70,4 anos
Pará: 72,0 anos
 Nordeste
Maranhão: 67,6 anos
Piauí: 68,9 anos
Ceará: 70,3 anos
Rio Grande do Norte: 70,4 anos
Paraíba: 69,0 anos
Pernambuco: 68,3 anos
Alagoas: 66,8 anos
Sergipe: 70,0 anos.

Mulher vive em média 79,4 anos

As mulheres continuam vivendo mais que os homens, embora as expectativas de vida de ambos os gêneros tenham aumento em relação ao ano anterior. A expectativa de vida dos homens aumentou de 71,9 anos em 2015 para 72,2 anos em 2016, enquanto a das mulheres foi de 79,1 para 79,4 anos.
Também os homens têm mais chance de não ultrapassar os 25 anos que as mulheres, segundo o IBGE. Eles são mais vítimas de mortes de causas não naturais, como acidentes de trânsito e homicídios. 
Em 2016, um homem de 20 anos tinha 4,5 vezes mais chance de não completar 25 anos do que uma mulher no mesmo grupo de idade.
Esses dados refletem a desigualdade existente entre áreas mais desenvolvidas econômica e industrialmente e as menos desenvolvidas. Por isso, estados do Centro-Sul (desenvolvidos) apresentam números mais elevados que estados das regiões Norte e Nordeste (menos desenvolvidos).
Fonte: Brasil Escola

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Lua...


Cheia de charme...
Tão diamante!
Não vejo nada igual!
Brilhante e serena!
Cheia de charme!
Reluz e transborda vida!
Do alto, encanta, vive!
Me enamora!
Brilha e reluz!vive e me seduz!
Lua...luz...vida!
Lua!
(05/06/2019)

domingo, 2 de junho de 2019

Agradecer Sempre!


Dê graças pela beleza e pela maravilha da prodigiosa criação de Deus (1: 1-31)
Louve a Deus pela absoluta fidelidade a sua promessa (9:8-17).
Ore para que, nas dificuldades e provações, você tenha a graça de lembrar que Deus está no controle de tudo, desde o vasto Universo até os detalhes de sua vida. (45: 4-8).
Tudo que fizerem, seja em palavras seja em ação, façam-no em nome do Senhor Jesus, dando por meio dele graças a Deus Pai. (Colossenses 3:17)